Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Abril, 2009

 

Olho de tigre, aquele implacável olhar que mete medo em qualquer adversário. Ok que foi o Rocky quem popularizou isso, com a canastrice do Stallone tentando materializá-lo naquela encarada no Drago do Rocky 4. Mas na vida real, quem fazia jus ao Eye of the Tiger era o Tyson. De algum jeito, o adversário tinha que anular o efeito daquele olhar, senão ele já começava a luta derrotado.

 

Daí que as pessoas da nossa geração projetavam o Tyson como a criatura da qual deveríamos evitar qualquer tipo de contato visual. Até surgir o impávido gorila do Zoológico de Roterdã. Ele não apenas emula com majestade o olho de tigre, como não tolera que seus semelhantes o encarem de volta.

 

Observem o interessante estratagema criado para que os visitantes contemplem a besta, sem correrem o risco de atiçá-lo e virarem comida de macaco.

 

gorila

E o que que tudo isso tem a ver com natação / travessia? Não muito, mas se aparecer um tubarão-tigre nadando do meu lado – que só perde do tubarão branco em número de ataques humanos -, eu bato o recorde dos 50 e dos 100 metros livres que os franceses amarelões bateram nesses últimos dias…

Read Full Post »

Eu sempre defendi a tese de que você só pode se tornar muito bom num esporte se você for muito competitivo. Por que o Nadal sempre ganha? Porque simplesmente se recusa a perder, ele não aceita a derrota. Eu sou um cara extremamente competitivo – atenção! Não falei que a pessoa competitiva é boa no esporte que pratica -, do tipo que a competitividade transcende as piscinas, as quadras, e vai parar no dia-a-dia.

Vejam só: esses dias estava corrigindo as provas dos meus alunos, nada mais que 96 dissertações. Pensei comigo: “Vou corrigir 48 antes e 48 depois do almoço”. E aí de hora em hora eu contava quantas provas eu já havia corrigido pra ver se minha previsão se concretizaria. A primeira metade corrigi em 3 horas e a segunda metade – prática nas respostas e paciência correndo em direções inversas – consegui baixar pra 2 horas e meia. Só quem me conhece bem sabe que, no fundo, eu estava disputando comigo mesmo a melhora do tempo de correção!

Já tive a oportunidade de ser presidente de seção eleitoral. Nos dois turnos, depois de ter botado uma pilha na galera e conseguir entregar a urna fechada primeiro que todas as outras seções, a satisfação e sentimento de conquista gerados superaram as emoções da galera dos Diretas Já, Caras pintadas e afins, só pra ficar no campo das metáforas políticas.

nadal

Tudo isso pra dizer que não basta aos nadadores solitários e contadores de azulejo a força de vontade pra acordar cedo e fazer treinos de 3, 4, 5 mil metros por dia. Ele também deve acolher um pequeno Nadal falante no ombro – de preferência levinho pra não agravar as nossas contusões – incentivando aquele algo mais que pode ser a diferença na chegada de uma prova de maratona aquática.

Read Full Post »

Aconteceu no ano passado. Tava num tremendo fim de mundo – Timburi, conhecem? – pra mais uma etapa das Maratonas Aquáticas, vésperas de minha viagem de lua de mel e já em férias do trabalho. No sábado, dia anterior a prova, fomos fazer um reconhecimento do local e dar uma caída na água. Naquele frio insano, a galera num deck cheio de cocô de passarinho e enrolando pra pular.

Como ninguém ficaria no deck, decidi deixar lá apenas as coisas sem muito valor. Bermuda, camiseta e chinelo, nada mais. Tava de aliança, recém-confeccionada na lojinha de Pinheiros, brilhando em meio aquela paisagem cinza. Pensei: “Não tem erro, tá quase justa no dedo, não vai cair”. Mais eis que a água estava realmente gelada e logo na segunda braçada, a aliança saiu pela tangente e caiu no fundo do rio. Até tentei mergulhar, mas não obstante a profundidade, certamente o lodo já teria fagocitado o anel.

bigfish1

Na hora me senti um completo idiota. Porra, nunca tinha usado algo com tanto valor simbólico e em tão pouco tempo já tinha me desfeito dela! Lógico que se no calor as coisas dilatam, no frio elas se comprimem! O George – mais uma vez ele – já tinha alertado isso, ainda mais numa água tão gelada!

Pensei em usar a tática Big Fish e inventar uma história pra minha mulher. Mas lá, o final era feliz, já que o Ed Bloom dizia recuperar a aliança abraçando o tal bagre até puxar da boca dele. No fim, não teve estória nenhuma, eu falei a real pra minha mulher e já tô usando a segunda via da aliança. E eu que achava que a terceira via do meu RG seria meu maior feito…

Read Full Post »

Toda travessia é a mesma coisa. Geralmente uma manhã de domingo, você há quilômetros de casa, e aí quando se está no local da prova, cercado pelos banheiros químicos fétidos, aquele clima de desorganização e sendo castigado pela brisa fria que vem da água é que vem a fatídica pergunta: “Que que eu to fazendo aqui?”

É nessa hora que você tem que puxar sábios conselhos ou se mirar em alguma referência pra não desanimar. Por mais contraditório que seja, eu indico George Constanza como um bom guia espiritual. O episódio em que ele descreve como entrou no mar para salvar uma baleia, é inspirador: “Quando comecei a entrar na água, eu estava horrorizado! Não vou mentir pra vocês! Mas após passar pela arrebentação, uma estranha calma se apoderou de mim, naquele momento eu realmente era um biólogo marinho!”

baleia
E ele salva a baleia! Tira a bola de golfe do Hole-in-one do Krammer que estava obstruindo o buraco da respiração do simpático cetáceo. Esses feitos individuais também remetem a outra valiosa lição de um amigo, professor nas horas vagas. Quando compartilhei meu medo de dar palestra, ele mandou: Vai lá na frente e fala tudo o que você sabe. Gasta tudo mesmo. Os caras vão sair de lá impressionados e não vão saber que você basicamente falou tudo que sabia…

Histórias inspiradoras. Se você não tiver uma, aluga o box do Rocky que já é um grande começo.

Read Full Post »

Sua vó já dizia: o mar é traiçoeiro, entra só até onde dá pé…4 pessoas não fizeram jus a esse sábio conselho e morreram afogados no mar ressaqueado desse feriado. Eu tava em Ilha Bela e até sexta não tava sabendo de nada disso.

Como tava invicto de nadar no mar esse ano, não pensei duas vezes e dei uma caída. Devido a profusão de praticantes de kite e jet na água, resolvi fazer um percurso mais próximo à margem. Sorte minha que o saldo da empreitada foram só uns bons goles de água.

melting_ice

No dia seguinte a situação piorou; conforme depoimento dos locais, o mar estava grosso. Daí a idéia de fazer a trilha do Bonete e depois voltar de barco foi cancelada. Não obstante os riscos físicos da empreitada, mar grosso, bonete, era muita bandeira pras ameaças trocadilhescas.

Ainda não descobri se a ressaca foi fruto algum El Nino turbinado, o lance do desprendimento da geleira Wilkins no Alasca ou qualquer coisa que o valha, mas é óbvio que é algum desequilíbrio da natureza. E logo agora que eu já tava ficando flexível com o lance do aquecimento global, achando que ele daria uma esquentadinha na água…

Read Full Post »

Ai, as criancinhas…

Páscoa é época de trocar ovos, irritar os amigos judeus falando que comeu pão, confraternizações em geral e….festinhas na piscina da academia! E é aí que mora o perigo. Uma semana antes eles já começam a deixar a piscina numa temperatura mais alta que a habitual, mais apropriada para as crianças. Imaginem correr a quarenta graus e você tem a medida do quanto é ruim nadar em piscina quente.

 

No sábado, dia do evento, a piscina fecha o dia inteiro, aí lá vai o treino de fim de semana pra viola. E por fim, durante a semana seqüente, a água continua com a temperatura quente, só que dessa vez menos por culpa da academia e mais pelo impulso urinário coletivo que além de aumentar a temperatura, altera o PH e muda a cor da água!

 

Mas não adianta reclamar, como diria o Edson – ou foi o Pelé? – a gente faz tudo pelas criancinhas…

Read Full Post »

Dodô e o mar

Ter alguma reserva de gordura pode ser de grande valia numa maratona em águas geladas, mas daí um dos leitores dizer que um obeso mórbido pode superar os 2 kms de Alcatraz é outra história. Se ainda fosse um cachorro, dava pra afirmar isso sem medo, até porque deu na mídia que um deles nadou quase 10 Kms até uma ilha após te ter caído do iate de seus donos em alto mar. Aqui tá o link:

 

http://noticias.uol.com.br/bbc/2009/04/07/ult36u46471.jhtm

 

O mais curioso da história é que a cadela passou 4 meses na tal ilha, quase uma Tom Hanks de quatro patas, uma Tom Husky! Durante esse período, ela sobreviveu a base de caranguejos até desenvolver uma técnica pra caçar filhotes de cabras e, finalmente, ser resgatada sã e salva.

 

dodoengraving

Ou seja, se a patrulha australiana não a tivesse descoberto por lá, teríamos mais um caso de extinção de uma espécie gerada pela introdução de outra espécie estranha ao ambiente. O caso mais célebre é dos pássaros Dodôs: Por muitos anos viveram livres, lépidos e sem predadores isolados numa ilha, até homens e cachorros impiedosos desembarcarem em seus quintais e rapidamente os transformarem em seu principal alimento.

 

Infelizmente o legado dos Dodôs, além de sua simpática foto nas enciclopédias, foi ter dado nome a um certo jogador que de semelhante a eles,  apenas a sua extinção de gols em jogos decisivos…

Read Full Post »

Older Posts »